• Telefone: 16 3797-8000 | 16 3635-8032
19/09/2019
Imagem retirada de https://noticias.universia.com.br/estudar-exterior/noticia/2019/08/21/1166197/curso-tecnico-em-seguranca-do-trabalho.html Imagem retirada de https://noticias.universia.com.br/estudar-exterior/noticia/2019/08/21/1166197/curso-tecnico-em-seguranca-do-trabalho.html

Os cursos de formação de técnicos em segurança do trabalho capacitam profissionais para atuar dentro de empresas nos diversos setores do mercado. Sua principal função é zelar pela integridade física e psicológica dos funcionários sob sua supervisão, atuando tanto na prevenção de acidentes como no mapeamento dos riscos e na minimização das doenças ocupacionais.

Formação e área de atuação
Os técnicos em segurança do trabalho estão presentes em inúmeras empresas, de todos os tamanhos e ramos de atuação, inclusive no setor público. Ainda que a rigor tenham uma formação de nível médio, o aluno deve cursar um ensino médio técnico para obter o conhecimento formal necessário para atuar como técnico em segurança do trabalho.

A duração do curso técnico dura, em média, um ano e meio e pode ser feito durante ou mesmo após a conclusão do ensino médio.

As atribuições práticas de um técnico em segurança do trabalho podem variar conforme as características da empresa onde atua. É de se esperar que um profissional que trabalha em uma empresa de informática não desempenhe exatamente as mesmas atividades que outro que atue em uma pequena indústria, mas é possível destacar algumas atividades gerais da carreira:

- Elaboração de um mapeamento de riscos, destacando aqueles que podem originar acidentes pessoais, materiais e ambientais.

- Propor campanhas e atividades que minimizem ou eliminem os riscos junto à direção da empresa e, posteriormente, implementá-las para todos.

- Acompanhamento dos acidentes ou doenças de trabalho, com elaboração de relatórios e, eventuais, recomendações de ações visando a prevenção.

- Condução de programas de treinamento de segurança.

- Auxílio e orientação de uso de EPIs (Equipamentos de Proteção Individual) ou EPCs (Equipamentos de Proteção Coletiva).


É interessante destacar que existe ainda a oferta do curso de segurança do trabalho, em algumas faculdades, sob a modalidade de graduação (tecnólogo) e com uma carga horária compatível com um curso de nível superior.

Como é o mercado de trabalho
Com a crescente preocupação com a segurança e integridade física dos empregados, o mercado para os profissionais que atuam no ramo costuma estar sempre aquecido. A legislação brasileira inclusive prevê a necessidade da existência de um profissional encarregado desta responsabilidade, ou seja, trata-se de uma carreira essencial para o mercado de trabalho.

Como a demanda é alta, muitos jovens já concluem seus cursos com um estágio ou emprego a vista. O perfil de um técnico vai além das qualidades aprendidas no curso, existem aspectos que fazem um diferencial muito grande, como:

- Facilidade para o trabalho em equipe;
- Excelente comunicação;
- Proatividade;
- Capacidade de observação e antecipação de riscos;
- Administração de conflito.

Perceba que a gestão de pessoas fará parte do seu dia a dia, então é interessante investir também em cursos, até mesmo extracurriculares, neste ramo, como administração de conflitos e do tempo, comunicação não violenta e, até mesmo, oratória.

Dificuldades na carreira
Um técnico de segurança do trabalho atuante logo vai notar que a cultura organizacional de muitas empresas no Brasil não valoriza as medidas eficazes de prevenção de acidentes e doenças ocupacionais como deveria. É bastante comum ver empresas que não querem destinar recursos aos projetos propostos pela equipe encarregada da segurança.

Uma das melhores formas de assegurar o bom desempenho do seu trabalho é mostrar ao seus superiores como a segurança do trabalho é importante para a empresa, sendo muito mais do que uma mera exigência da legislação.

Você pode utilizar dados para mostrar que investir em segurança deve ser parte da estratégia de negócio para minimizar despesas futuras e como um acidente de grandes proporções pode arrasar a imagem de uma empresa.

Além de mobilizar e convencer os chefes sobre a importância do investimento em segurança, você também deve traçar estratégias para motivar os empregados a participar e incorporar as medidas de segurança essenciais em seu dia a dia. Não adianta ter regras e equipamentos de segurança se os funcionários não os utilizam.

Portanto, planeje uma política abrangente dentro da empresa que tenha como objetivo uma mudança na própria cultura organizacional de modo que a segurança se torne, inclusive, um dos valores da empresa.

fonte: Universia

Lorem Ipsum

Whatsapp